quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

O post hoje é para MIM!



Há 26 anos, no dia 28 de janeiro,às 4h, uma jovem de 20 anos dava a luz a uma menina mirradinha, que não quis esperar os 9 meses para nascer. No sétimo mês dentro do ventre, ela já "pediu para sair", literalmente. Devido a prematuridade, o bebê precisou ficar algumas semanas na encubadora.
A mãe, Denise Basílio, rogou aos céus para que tudo ocorresse bem com sua primogénita. Um pedido fervoroso, de que a criança tivesse muita saúde e saisse logo do hospital, foi feito à Nossa Senhora das Dores. A criança foi registrada como Tatiane Dores da Silva, uma homenagem a Santa, que cumpriu fielmente o que lhe foi solicitado. Hoje, com muita saúde, para dar e vender, diga-se de passagem, a criança virou uma mulher!

Eu li em algum lugar, não lembro onde, que quando se faz aniversário é como se começasse um novo ano. É um ciclo que inicia, novas energias, é um tempo em que queremos recomeçar e continuar aquilo que foi bom.

Sucesso para mim, tenhos muitas empreitadas pela frente.


Tatiane.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Pen drive na mão de distraído é bucha

Eles são bonitinhos, modernos, práticos e funcionais, porém, podem se tornar uma verdadeira dor de cabeça para os "avoados". Estamos falando do singelo pen drive. O site "Convergência Digital", divulgou um estudo realizado pela Credant Technologies sobre Segurança da Informação e revelou que mais de 9 mil pen drives e outros dispositivos USB são encontrados em escritórios durante o ano. O fato é preocupante para as empresas, pois nesses micro aparelhinhos, muitas vezes, estão contidas informações importantes, que não podem ser vazadas. O que era para facilitar, acabou se tornando uma ruguinha a mais na testa dos executivos. Alguns modelos vêm com cordinhas, já outros não. Eu, na minha distração nata, uso um com uma mega-giga e bem sinalizada cordinha. O número de distraídos não é pouco. Presenciei uma cena unisitadíssima, um tempo atrás. Estava eu na sala de aula, quando avistei uma linha branca atravessando, emaranhada, vários computadores. Fui seguindo com os olhos para ver onde aquilo ia terminar. Adivinhe? Numa ponta era uma pasta, na outra um pen drive. Explicação: meu caro e nobre colega de sala, amarrou as duas extremidades, com todo esse empenho, só para não correr o risco de mais uma vez perdê-lo. Éééé...todo cuidado é muito pouco!

Recebi há pouco o vídeo abaixo, e foi inspirado nele que escrevi o post de hoje. Preste atenção!!!

Tatiane.

video

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Sobreviventes dos anos 80!




No meu post do dia 23/01, eu escrevi sobre a geração do anos 80(a minha), e discorri criticando que essa foi a última que, realmente, teve infância.
Coincidência ou não, cá eu hoje, nas minhas checagens de e-mail, quando me deparo com o seguinte título: "Sobreviventes". Pensei: "Seria do holocausto?", "Das enchentes?". Não! Por 'pareça que incrível', era uma referência àqueles que conseguiram escapar ilesos dos anos 60,70 e 80!

Hoje, nossas crianças são super protegidas dentro de seus lares, monitoradas pelos pais através do celular, não tem uma turma de amigos para brincarem na rua e seus coleguinhas são virtuais. Bebíamos água da torneira, não a mineral, e, CONTINUAMOS VIVOS! Vivinhos da Silva!

Tanta coisa inventada para "proteger", e essa super proteção deixou(está deixando) nossas crianças frágeis. Só fica forte para a vida quem cai, rala o joelho, conversa com pessoas ao vivo e a cores, não pelos computadores. Em função desse distanciamento humano, e de muito mais outras coisas, a procura por psicólogos e terapeutas vêm crescendo absurdamente. A criançada tem isso, mais aquilo e mais um monte de bláblá's. A sociedade está criando adultos frágeis, dependente, medrosos e egoístas (pois não viveram em grupo).

E, agora, pergunto: Se hoje está assim, como será daqui para frente? Temo pelos meus filhos (que ainda terei), pelos teus, pelos nossos.

Deixo aqui meu recado em forma de pergunta: Vamos viver mais? Vamos colocar o pé na lama? Viver o mundo, de fato?

Abaixo, segue o vídeo do e-mail a qual me referi. Ele tem 6 minutos, mas vale a pena.




Tatiane.

domingo, 25 de janeiro de 2009

A culpa é minha


Eu procuro incessantemente disfarçar esse vazio que insiste em permanecer dentro de mim. Busco por algo que consiga, perfeitamente, se encaixar, feito peça de quebra-cabeça, nesse buraco, que aperta e amarga. Ele começa entre o peito e estende-se à cabeça, que por sua vez, não pára de pensar no que poderia ser. Depois segue para o estômago e aperta feito nó. Por último, segue concomitantemente pelo resto do corpo, me imobilizando, deixando-me parada, estagnada. Poderia ser diferente? Sim. Mas faltam-me forças, estou presa a esse vazio.

A peleja me deixou frágil. Tão frágil. Fui eu quem escolhi esse caminho, mas pensei que seria diferente. Minha própria verdade me traiu. Agora, busco em meio a entretenimentos, estudos e projetos de vida preencher, quem sabe, esse vazio, se é que existe algo que o preencha. Horas me disperso com algo que acontece ao meu redor. Iludo-me na esperança de que, talvez, esteja ali o que falta. Leio, penso, oro, procuro os amigos. Tento encontrar as respostas. Busco saber o que fiz, para entender o agora. Quero saber o que posso fazer. Ainda não sei. Quero acreditar que num passe de mágica algo vá me tirar desse amargo. Às vezes tento me agarrar ao passado, naquilo que foi bom. Mas, nem sempre o que foi bom é capaz de tirar o fel. E, realmente, não é.

O vazio, que vazio! Tentei fugir de ti. Foi pior. Agora tento de entender. Aprendi que vais sempre estar comigo. És do meu ser, fazes parte de mim. Descobri, agora, que não quero mais preenchê-lo. Procuro por algo que dê um colorido especial a minha vida. Que tempere e me faça rir à toa. Assim, será mais fácil continuar a busca pelas respostas, e torná-las reais.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Anos 80, a última infância que teve infância


Aqui no prédio onde eu moro tem uma turma de crianças que todo dia se reune para brincar. Eles jogam bola, brincam de esconde-esconde e de boneca. Isso muito me causa admiração, porque é raro presenciar essas cenas nos dias de hoje. O advento da tecnologia com seu crescimento desenfreado, passou por uma lasca na minha infância, mas não poupou as crianças que nasceram no século XXI.

Se a Dona Ina, uma velhinha chata e encrenqueira, que há 18 anos, vivia lá na rua São Vicente de Paula, na Agronômica, onde eu morava, soubesse que, aqueles pirralhos que ela atanazava eram a última geração de crianças que tiveram, de verdade, uma infância, nos permitiria continuar berrando em frente ao seu portão, deixaria-nos brincar de ponte em cima do seu muro e jogar pedrinhas no telhado da sua casa, e não nos daria banho de mangueira, para corrermos para longe do seu quintal.

Hoje a diversão da maioria são os video-games, os campeonatos de jogos em lan house e os brinquedos eletrônicos. A infância hoje, vive enclausurada nesse mundinho. Eles não caem da bicicleta, não roubam fruta da árvore do vizinho, não brincam de patins, enfim, não vivem, porque viver é ter contato com outras crianças. É aprontar, é ralar o joelho, é correr pela rua, assistir a desenhos animados inocentes(diferentes dos de hoje), brincar de Detetive. Cadê essa infância? A última foi nos anos 80. Eu sou uma sobrevivente para contar história.

Quer matar saudade? Olha o vídeo aí embaixo, então:




quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Para onde você foge?

O que você mais gosta de fazer? Pense rápido. E aí, já sabe? Provavelmente a sua resposta entregará o seu recôndito. O seu esconderijo naqueles momentos em que o que mais queremos é esquecer do mundo, das obrigações e descansar.

Todo mundo tem uma válvula de escape. Aos finais de semana, por exemplo, muitos gostam de alugar um filme para assistir, outros saem para namorar e tomar um chopp, alguns aproveitam para dar um passeio junto à natureza. O esporte também é a fuga de muitas pessoas. Bater uma bolinha em plena quarta-feira, só para equilibrar a semana.


Fugir de vez em quanto é preciso. Serve para manter a cabeça arejada, recarregar as baterias, ficar bem e disposto. Isso é saúde!

A fuga só torna-se um problema quando causa dependência. Podemos falar dos vícios. Da comida, das drogas, do álcool, do amor, do jogo, e por aí vai uma lista imensa.

O meu esconderijo, desde a 'aborrecência', foram os livros. Foi neles que eu econtrei
forças, aprendi com histórias alheias, me muni de conhecimento, busquei criatividade e procurei respotas para minhas inúmeras perguntas. É neles que eu me escondo e depois ressurjo para o mundo.

A última vez que fugi fui parar em "Siga seu Coração", de Adrew Matthews. Já é a terceira vez, acho eu, que menciono este livro no blog, mas é que é inetivável. Ele tem uma energia ótima, capaz de empolgar qualquer um. Possue uma leitura dinâmica e fácil. É simples e fala sobre todos os aspectos da vida dando soluções que já conhecemos, mas não compreendemos, por isso não fazemos certo. Olha, vale a pena! E é não custa caro! O meu paguei R$18,00.




Minha fuga anterior a essa, foi para "A vida que ningu vê", da jornalista Eliane Brum. De uma sensibilidade nata, Eliane conta em várias reportagens, histórias de pessoas simples, que não são notícia nos jornais. Ela consegue transformar a vida des pessoas normais em contos que mais parecem ficção, de tão perfeitos e inacreditáveis que se tornam. Tem a história do carregador de malas do aeroporto, da menina que vendia balas no sinal, do mendigo, e por aí segue...




Estas são ótimas dicas de fuga, heim...

Ah, já ia me esquecendo. Tenho outro esconderijo, que é em meio às palavras, também. Será que você consegue adivinhar qual é?



Tatiane.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Não sou de amores fugazes...


Nunca fui de amores efêmeros. Posso contar nos dedos, desde muleca, ao todo, foram cinco. Sou, como dizem, sonhadora e romântica. Minhas paixões sempre tiveram vida longa. Dei a devida atenção, toda vez que o meu coração bateu mais forte.

Amei cada um diferente, nenhum foi igual. Amei-os intensamente. Para falar a verdade, posso dizer, já sou expert, quando o assunto é decifrar corações.

Me permiti dar todas as chances a cada um. Não suporto pensar no que poderia ter sido se eu não tentasse. Mnhas paixões não foram mornas. Teve fagulha, farpa, carinho e esperança, decepção, separação e reencontro.

Cheguei a conclusão de que nunca gostei dos amores fáceis. Gosto daqueles que provocam cólicas, que deixam dúvidas e, que de repente, feito surpresa, vem afagando o coração te fazendo sentir amada. Não gosto da segurança, isso acomoda. Prefiro pensar que, amanhã, ele poderá não voltar. Isso me estimula. Eu torno atmosfera mais sedutora, sussurro as melhores palavras ao pé-do-ouvido. Eu amo mais, e intensamente.

Ninguém nunca entendeu o meu jeito de amar. Me pedem para não levar o amor tão a sério. Eles não entendem. Eu não levo a sério, eles é que levam. Eu acredito feito boba, eu vivo. Sou feliz por amar intensamente. Sou uma eterna apaixonada, não nego.

Na última vez, amei sozinha. E amei de verdade. Apostei minhas fichas quando me avisaram "sai fora dessa". Mas, não sou de amores fugazes. O coração havia batido forte outra vez, e tinha batido diferente. Ah, não podia perder. E se eu não tentar? Tentei... Paft!!! "Bem que me avisaram", lembrei.

Quem ama de verdade exala perfume, e quando ele sai de cena, o coração que tanto teve o aroma por perto, sente falta,ah se sente.

Daqui a pouco lá virá ele me pedindo amor...

Agora, o GPS está ligado. Procura-se uma paixão que faça bater forte um coração. E que bata diferente.

(Na próxima crônica prometo falar dos amores não correspondidos - desses eu também entendo bem)

Tatiane.

Seja um doador de sangue


Você é doador por natureza. A doação está no seu sangue. Seja um doador



Escrevo hoje para falar sobre um assunto bem importante, mas que poucas pessoas levam a sério: Doação de Sangue.

Sabemos que o Brasil necessita diariamente de aproximadamente 5.500 bolsas de sangue, sendo que este número aumenta em períodos de grande movimentação no País, como férias e final de ano. Pacientes em todo o país correm risco de vida quando falta sangue no atendimento médico de emergência. Nós, juntos, podemos ajudar a diminuir esse número e assim, salvar muitas vidas.

A doação de sangue é segura e não demora mais de meia hora. Todo o material utilizado é descartável e oferece total segurança ao doador. O sangue coletado na doação também é utilizado em cirurgias, no tratamento de doenças como: hemofilia, câncer no sangue, anemias intensas e em casos de queimaduras.

Existem apenas alguns requisitos para ser um doador, conheça-os.

Então gente, pensando que um pequeno ato nosso pode salvar uma vida, decidi encaminhar esse e-mail pra vocês.

Seja um doador e ajude a salvar vidas! Candidatando-se a uma das vagas disponíveis no Portal Voluntários Online, clicando em um dos links abaixo, a gente recebe via e-mail os endereços dos Hemocentros em todo o Brasil.

Voluntário doador de sangue na região Centro-Oeste

Voluntário doador de sangue na região Nordeste

Voluntário doador de sangue na região Norte

Voluntário doador de sangue na região Sudeste

Voluntário doador de sangue na região Sul

Obrigado.

Abraço


Texto: Voluntários em Ação de SC (IVA/SC).

sábado, 17 de janeiro de 2009

É díficil agradar a todos

"Que beijinho doce, que ele tem, depois que beijei ele nunca mais amei ninguém...". Foi assim, embalado com esta música, com duas crianças - desafinadinhas, diga-se de passagem - cantando a letra, que se encerrou o último capítulo da novela "A Favorita", nessa sexta-feira. Bom, aqui em casa escutei os seguintes comentários sobre o final: "Esse é o final?", "Não acredito que acabou assim!"



Para ser sincera eu nunca ví último capítulo de novela agradar ninguém. As pessoas fazem tremendas expectativas e se decepcionam. Eu particulamente, achei interessante o desfecho da novela. O autor fez um fim que ninguém esperava - o que é bom. Clichê é terminar com uma cena de algum casamento, todo mundo feliz, sorrindo e se abraçando, ou algum casal se beijando.



Gostei da sacada de João Emanuel Carneiro, quando a pequena Flora diz à Donatela que ela é a sua "favorita", fazendo alusão ao título da novela. Também gostei de ele usar a música, que durante quase a novela inteira serviu de pano de fundo para muitas das maldades da vilã. O final mostrou a raiz, onde tudo começou, dando sentido a todo o enredo da novela.



O final poderia ser diferente? Podia. Mas uma coisa é certa: último capítulo nunca agrada a todos, independente de qual seja.



Confira o último trecho da novela aí embaixo:




sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Ninguém morre de véspera


Um avião da Airbus caiu em um rio, em Nova Iorque e, acredite, todos os 150 passageiros a bordo sobreviveram, sem nenhum ferimento grave. Somente quatro pessoas precisaram ser hospitalizadas com hipotermia, devido ao frio que fazia na região.


O motivo do acidente: um passáro entrou na turbina, o que levou a explosão do motor de uma das asas. O pouso forçado teve que ser feito sobre o rio, pois não havia tempo de voltar ao aeroporto. A vasta experiência do piloto, que pertenceu a aeronáutica e já fez vários cursos de pouso de segurança, conseguiu a proeza de um verdadeiro milagre, como andam dizendo por lá. Além de ter conseguido salvar a vida de dezenas de pessoas, o cara ainda fez questão de verificar duas vezes o avião, para certificar-se que não tinha mais ninguém por lá. Realmente, esse, tem o verdadeiro espírito humanista.


O susto foi grande para essas pessoas e, felizmente, não era chegada a hora de ninguém. Alguns acontecimentos (sustos), como este, às vezes, servem para algumas pessoas darem mais valor a vida e vivê-la plenamente, sem reclamar. Viva, amanhã ninguém sabe. Não precisamos de um susto como este, né?



Tatiane.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Israelenses x Palestinos


Bombardeio. Remédios. Alimentos. Toneladas de ajudas humanitária para os palestinos. Tudos pelos ares. Israel em ofensiva à Faixa de Gaza bombardeou, essa manhã, a sede da Onu. Alguns feridos. Até o momento não se sabe da existência de mortos. Pelo menos três pessoas ficaram machucadas, e também dois jornalistas.


Um pedido de paz, que não cala:


"Se existe amor, há também esperança de existirem verdadeiras famílias, verdadeira fraternidade, verdadeira igualdade e verdadeira paz. Se não há mais amor dentro de você, se você continua a ver os outros como inimigos, não importa o conhecimento ou o nível de instrução que você tenha, não importa o progresso material que alcance, só haverá sofrimento e confusão no cômputo final. O homem vai continuar enganando e subjugando outros homens, mas insultar ou maltratar os outros é algo sem propósito. O fundamento de toda prática espiritual é o amor. Que você o pratique bem é meu único pedido."


(Dalai Lama)


Tatiane.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Minissérie


A minissérie "Maysa, Quando Fala o Coração" se resume em: whisky, cigarro e acidente de carro. A gaúcha Larissa Maciel, quem protagoniza o papel da cantora Maysa, com certeza, já está expert nessas cenas.


Curta:

Segundo uma notícia do site da Abril.com, a Rede Globo já está arrependida em ter diminuido de 16 para 9, o número de capítulos da minissérie, devido o sucesso de 30 pontos no Ibope. Motivo do pedido: a emissora pretende lançar uma minissérie sobre Elis Regina.


Agora eles irão colocar a vida de todos os artistas 'doidinhos' na tela. Me atrevo a chutar os próximos: Tim Maia e depois Cazuza.


É isso, aí. Sendo bem produzidos, tudo bem.


Na foto: à esquerda, a verdadeira Maysa, e à direita, a atriz Larissa.


Tatiane

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Proeza iminente

Olha a barbeiragem! Essa ninguém me contou, eu vi. Estava a caminho da praia, hoje, às 10h, quando vejo, pasma, sem acreditar, um carro submerso, na praia da Saudade no bairro de Coqueiros. O motorista se perdeu na curva e voou com tudo direito para a água. Seria cômico se não fosse trágico. Andar em alta velocidade é o maior dos males no trânsito. Somente os carros da segurança pública e ambulâncias deveriam ter o velocímetro acima de 80km/h. De repente, se o sujeito não estivesse "chutado", conseguiria evitar o episódio.

Confira na íntegra a notícia do ClicRbs:


Carro cai no mar em Florianópolis
Acidente aconteceu por volta da 2h de segunda-feira na rua Desembargador Pedro Silva
Atualizada às 17h41min


O motorista de um automóvel perdeu o controle do veículo e caiu no mar na Praia da Saudade, em Coqueiros, região continental de Florianópolis, na madrugada desta segunda-feira. O acidente aconteceu por volta da 2h, na rua Desembargador Pedro Silva, próximo a uma agência do Banco do Brasil.
Conforme a Polícia Militar (PM), Volnei Martins Meze Júnior, de 36 anos, foi socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) no local. Quando os socorristas chegaram a vítima já tinha saído do carro — um Peugeot 307, que estava parcialmente submerso — e aguardava o atendimento médico na areia da praia. Bastante agitado, o homem foi encaminhado ao Hospital Governador Celso Ramos. Segundo o empresário Leonardo Castro, que mora nas proximidades e chegou ao local instantes após o acidente, havia duas pessoas no carro. O motorista teria saído sem ferimentos e levado o passageiro, ferido, até a faixa de areia. A versão não foi confirmada pelo Samu.O sedã foi retirado da água por volta das 11h30min, com o auxílio de um guincho. Os trabalhos foram acompanhados por dezenas de curiosos.
Fonte: DIARIO.COM.BR

Tatiane

domingo, 11 de janeiro de 2009

Músicas que falam pela gente


Vivo falando da importância da energia. E música é isso, pura energia. Algumas conseguem levantar o astral, outras deixam borococho, umas servem para relaxar. É por isso que elas fazem tanto sucesso, é por isso que a música é universal. Além disso, elas sempre contam alguma história. Todo mundo se identifica em algum momento. Pode ser na letra, ou até mesmo na batida, conforme esteja o seu estado de espírito. Eu amo música! Elas são melhoras ainda, quando traduzem os nossos sentimentos.


E para colocar em prática o que estou falando, essa música aí de baixo, infelizmente, hoje, fala por mim. Toca o som dj:



Nosso amor é pra valer


Exaltasamba
Composição: Indisponível


Será que é tão difícil assimEncontrar alguém pra se amar Parece que hoje em dia ninguém mais quer saberMas juro não vou desistirSozinho eu não consigo ficarSem tua companhia não consigo viverEu já tentei em outros braços, outros carinhos, outros sentimentosMas me perdi nos teus abraços, o teu sorriso não me sai do pensamentoVê se volta amor, eu não posso te perderEu não consigo sem vocêFicar distante é tão ruimVocê sabe que o meu amor é vocêEu não consigo mais viverA dor parece não ter fimVocê sabe que o nosso amor é pra valerSerá que é tão difícil assim...
.
.
Um ótimo domingo, porque hoje eu vou é me divertir! Fui...
Tatiane

sábado, 10 de janeiro de 2009

Quando tem samba é bom!


Sexta-feira.


Restaurante O Manezinho, na Av. Beira Mar Norte, 22h15m. A chuva de verão querendo desmanchar a maquiagem. Calor. Nomes na lista conferidos, ok, entrem. Cavaco, pandeiro e chocalho vibrando estridentes. Lugar pequeno, abafado, sem ventilação, ar condicionado ou ventiladores. Acredite você, estávamos num restaurante numa das avenidas mais chiques de Floripa. Abrir a janela para pegar um ar? Só com muita insistência com o dono.

Não vou tripudiar o local. Ele até é charmoso. Aliás, sempre ouvir falar bem dele, apesar de escutar também que, ele é caro.

O que não combinou ali, numa sexta-feita, foi o pagode. O estilo musical requer espaço pois esbanja calor humano, então necessita de ventilação. E na sexta-feira, a empolgação por um final de semana recompensador, está no ápice - em outras palavras, as pessoas saem de casa para o crime, entenda como quiser. Brochei. A opção era sentar e escutar o samba. Mas, insisti e ensaiei uns passinhos. Para finalizar, os pagodeiros, às 24h, estavam guardando seus instrumentos musicais. Na sexta-feira, gente. Fim de papo. A casa fechava as portas. Ponto.


Na sequência...


Foi o dia do samba. Rumo à praia da Joaquina. Imagine as dunas da praia, sim. Um barracão de madeira de dois andares bombando nela. O lugar, Da Raiz. Vozes inigualáveis seguiam a percussão. Posso dizer, sem medo, que os vocais dali, era dignos de ser comparados com os mestres do samba, de Arlindo Cruz à Betty Carvalho. Excelente. O no barraco tinha ventilador. Ahá! Fechou! No meio do mato e da areia da praia, cerveja gelada, espaço para girar, rodopiar e samba do bom?


Conclusão:


Tem lugar que é para o samba e tem lugar que não é.



Tatiane.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Trocando o guarda-sol pelo guarda-chuva


A semana inteira o Sol insistiu em aparecer. Doía o cocoruto capilar andar pelo Centro da cidade, doía mais ainda não poder desviar o caminho para ir à praia.


Para quem programou o final de semana para aproveitar o banho de calor do nosso astro-rei, a estrela maior, pode tirar o cavalinho da chuva, ou se preferir, deixá-lo por lá mesmo, porque, final de semana vai chover. Esqueça o guarda-sol e pegue o guarda-chuva!


Segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), São Pedro vai lavar o salão até domingo. Só na segunda-feira, quem sabe, o nosso querido Sol, vai dar o ar da sua graça.


Nesse exato instate (17h10m) a chuva começou a cair, aqui pelo bairro Abraão.



O jeito é arrumar outras atividades de lazer para o final de semana. Aí vão as dicas: shoppings, uma canastrinha, dominó, ler um bom livro, dar uma geral no quarto, etc.


Bom final de semana com chuva!


Tatiane.

Sorria : )


Você já testou o poder de um sorriso? Sabe qual é a significância dele? Alguma vez, algum estranho lhe deu um sorriso, sem motivo algum? Imagino o que você deve ter pensando: essa pessoa foi com a minha cara! E isso já nos deixa super bem, não é mesmo? A auto-estima se eleva gratuitamente.




Experimente sorrir, agora!






quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Palavras alheias, aproveite


Estou lendo, ou melhor, relendo, um livro que li em março do ano passado. Sempre gostei das palavras. Gosto, ainda mais, quando elas trasmitem algo importante. Os ensinamentos, quando escritos, parecem ter outro valor. Um valor sacramentado, idôneo. Se torna uma verdade absoluta e incontestável.


Eu costumo me apropriar das palavras, principalmente quando elas me fazem bem. O livro que me refiro, é"Siga seu Coração", de Andrew Matthews. Nele, não há escrito nada de extraordinário, na verdade, nada muito diferente do que já conhecemos. Mas, com o registro ali, impresso, acabamos por enxergá-lo através de outro prisma. Foi escrito sob uma ótica singular.


Não vou ficar com o que li , só para mim. Vou dividí-los com vocês. Extraí apenas alguns trechos, os que achei mais conveniente. Espero que você se aproprie destas frases, tome elas para sí, é um presente meu. Use-as no momento que achar apropriado e guarde-as, elas podem ser úteis.



Essa é para quem tem medo de se arriscar:


"A incerteza é metade do divertimento. Quando não há nenhuma dificuldade, alguma coisa está faltando. Não por acaso muitos filhos de ricos e famosos morrem por overdose de heroína ou dão um tiro na cabeça. Eles não têm desafio. Trabalhem ou não, suas necessidades materiais são satisfeitas."


"Amar é permitir que o outro tenha a chance de escolher estar com você."


"Prosperidade não é uma questão de dinheiro. É uma questão de estilo de vida."


"O que é verdade hoje pode não ser amanhã."


"Nada floresce em meio uma bagunça. Organize seu arquivo. Faça uma faxina geral em sua garagem.

Seu exterior reflete o seu interior - ou seja, o ambiente em que você vive reflete sua maneira de pensar. Em geral, quando sua casa está uma bagunça, sua vida também está."




Tatiane.




quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Contratação imediata


Essa notícia é fresquinha! Boa para quem está precisando de emprego.

Hoje (quarta-feira), eu estava passando pelo Centro de Florianópolis, perto do Terminal Urbano, e recebi um panfleto com mais de 20 tipos de vagas de trabalho.

A Ilha está na sua efervescência típica de verão e as as oportunidades também.

Segue o conteúdo na íntegra:


"VAGAS DE EMPREGOS:


CONTRATAÇÃO IMEDIATA


Procure a RHF TALENTOS na Rua Felipe Schmidt, 303, Edifício Dias Velho, 6º andar, sala 612.


Traga seu currículo.


Vagas disponíveis:


-Vendedor externo (com moto)

-Vendedora de joalheria

-Operador de Caixa

-Atendente de farmácia

-Embalador

-Repositor de loja

-Atendente de cartões

-Atendente de padaria

-Serviços gerais

-Atendente de açougue

-Auxiliar de confeitaria

-Técnico de edificações

-Promotor de vendas

-Frentista

-Auxiliar de pedreiro

-Auxiliar de cozinha

-Atendente setor de frios

-Atendente para Cine

-Telecobrança

-Atendente de lanchonete



Agora é pegar a carteira de trabalho e correr para o abraço!



Boa sorte!!


Tatiane.

















terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Praia, um lugar cheio de boas energias


O governador romano Júlio César não sabe o tamanho do bem que nos fez, quando há muito tempo, mas muito mesmo, lá em 46 a.c., escolheu o dia 1º de janeiro, como a data oficial para a cultura ocidental, para começar o ano novo. Aqui no Brasil, essa data compreende um dos períodos mais quentes do ano: o verão. Seu Júlio, aonde quer que você esteja, o meu obrigada! Não existiria época melhor para se começar um novo ano, que não fosse a estação em que vamos à praia.


Quem não acredita nesse lance que energia influencia a vida das pessoas, vai mudar de opinião quando pisar os pézinhos na areia da praia. Feito isso, o corpo relaxa, a mente flutua e a alma recarrega todas as suas baterias. É um verdadeiro estado alfa. É impressionante, a praia é o único lugar onde consigo ficar sem pensar em absolutamente nada. É nela que eu me encho vontade de começar tudo de novo, é lá que eu arrumo força para começar o que eu não tinha coragem para fazer. É lá que eu passo a acreditar mais na vida e nas pessoas. Na praia tudo se torna mais feliz.


É criança, adulto, velho, adolescente, cachorro, piriquito e papagaio. Gente jogando bola, um moçinho fazendo cooper escutando seu mp4, uma duplinha joga frescobal, um grupo toma sua cerveja gelada super descontraidos, um outro aproveitar para ler um livro e colocar a leitura em dia. A praia é isso. Uma concentração de diversidade cultural e racial. Uma mistura total. A busca é uma só: sentir-se melhor, bem, feliz.
Você consegue voltar triste e desanimado quando vem da praia? Isso é quase impossível, né? Não poderiamos começar o ano em outro lugar, que não, a praia. A praia é tudo isso e mais um pouco. É onde as melhores energias estão canalizadas.

É mesmo um privilégio morar numa ilha como a nossa, que é cercada pelas mais belas praias do mundo. Uma ilha cercado por energia. Eu começei meu ano super bem. Passei a virada na praia e por lá permaneci 8 dias. Choveu cinco, tudo bem, mas ainda assim, foi tudo de bom!
Aproveite para ir a uma. Colocar os pés na praia ainda não custa nada e faz um bem danado.


A foto é do Sul da Ilha, no Pântano do Sul. A autoria do registro fotográfico eu desconheço.


Tatiane.